domingo, 17 de junho de 2012

Bagna Càuda: da tradição oral ao "www"

Encontrei uma diversidade encantadora de versões da 'Bagna Cauda', nesta semana- uma descoberta curiosa para estes dias frios que, me parece, vieram pra ficar. Vi a receita da revista, outras possibilidades no You Tube, uma versão interessantíssima na página oficial do Piemonte, vídeos com as histórias do 'como se faz' da Signora Albina e do Signor Pietro, e mil horizontes. Então, fui tomada de um  desejo invernal de arrumar uma mesa bem alegre para compartilhar este quitute com amigos. Alho, anchovas, óleo, manteiga, nata, leite, legumes crus, legumes grelhados: tudo isto tem, assim-ou-assado, em cada preparo. 

Edição da 'El Gourmet", Argentina

A magia está na partilha, sim, mas também neste prisma de formas de seguir a tradição piemontesa. Tive um devaneio. Ao fazê-la, posso ser parte do substantivo coletivo: o conjunto de sujeitos que, ao longo da história, prepararam a 'Bagna Càuda', a 'Bagna Calda', a "Bagna Caoda", a bañacalda...Em suas cozinhas e em seus cadernos de receita, em moldes antigos e modernos, em páginas de receitas online, no Wikipedia, nas vozes de italianos que contam sua versão, de argentinos que transmitem a receita como a receberam...

Agradecimento à natureza, celebração do vinho novo, festejo de amigos, tradição regional, bagagem afetiva de imigrantes do Piemonte na Argentina, idéia de um prato original no frio do outono-inverno, novidade em uma revista de cozinha, transmissão de uma receita de camponeses do Medievo atualizada à tecnologia do Século XXI. 

Enfim, a Bagna Càuda  vivenciada em perspectiva multimidia: escrita, em foto, em vídeo, em voz. E o que permanece, através dos tempos e lugares, é a comunhão da mesa alegre entre os comensais.

Em uma das versões que vi, num site italiano de culinária, leio que uma receita para 4 pessoas apresenta:
 -100g de anchovas espanholas
-1 taça de vinho
-50g de manteiga
-1/2 copo de óleo
-7 dentes de alho
-1/2 copo de leite

e mais...
-1 dia frio de outono ou inverno 
-legumes da estação, crus e cozidos
-pães
-amigos em volta da mesa, qb 

Limpe as anchovas e 'lave-as', rapidamente, no vinho. À parte, deixe os dentes de alho repousarem no leite, por uma hora (em um dos vídeos, sugerem o repouso de uma noite...). Passada a hora- ou a noite, como preferir- coloque em uma panela com óleo, em fogo lento, a mistura de alho e leite. Separadamente, aqueça a manteiga e, antes que ferva, coloque ali o composto do alho com o leite. Desmanche por completo o alho no conjunto, misturando bem; só então una as anchovas, preparadas no início, continuando a misturar tudo por, ao menos, 20 minutos, até que elas também se desmanchem totalmente no molho. Se preciso, pode-se usar um mixer para tornar o molho homogêneo.

Obs. Como existem muitas variações no 'modo de fazer', entre uma receita e outra, reuni aquelas semelhantes na explicação acima.

Servir no Fujot, com legumes crus, cozidos, pães...
Compartilhe com os amigos, num almoço em dia frio.

E bom apetite!

Betina Mariante Cardoso



E o 'Modo de Fazer' do Signor Pietro:
http://www.memoro.org/it/La-Bagna-C%C3%A0uda-di-Pietro_986.html

Agora, encontre o seu "Como-se-faz"!


Nenhum comentário:

Postar um comentário

Participe! Vou adorar compartilhar emoções culinárias com você! Com carinho, Betina